DE VOLTA AO PLANETA VERMELHO

"A NASA enviou no dia 18 de novembro de 2011 um superjipe para procurar indícios de vida em Marte; a chegada ao planeta vermelho é esperada para agosto de 2012


A notícia pode ser meio velha, mas que é interessante, isso é. Imagine poder explorar marte de maneira mais efetiva, sem o uso daquelas sondas minúsculas (parecendo carrinhos de controle remoto e ainda por cima totalmente dependentes do sol. Fechou o tempo, ficou de noite? Ja era o bendito do carrinho.) Agora a coisa vai ficar bem melhor, pois vão enviar um tipo de jipe espacial (tem o tamanho de um jipe mesmo) e movido a energia nuclear (esse não morre com tempo feio nem tem medo do escuro^^) O jipão Curiosity vai pousar em marte em meados de agosto (veja imagem do esquema de pouso e aparência do jipão) e deve procurar duas coisas importantes: água e principalmente carbono, duas substâncias que podem juntas a outras dar origem a vida orgânica. O projetão custou pelo menos 2,5bilhoes de dólares e vai ter duração de um ano marciano, quase dois anos terrestres^^.
Esta pessoa que vos escreve espera realmente que esse projeto dê certo e que suas descobertas tragam notícias significativas não só para a comunidade ciêntífica mas para todos que curtam o assunto. Já pensou encontrarem substâncias que favorecem a vida em marte? Ou até mesmo algum organismo? Nossa, já foram tantos filmes falando sobre isso que a gente voa na imaginação.^^
Leia abaixo a notícia na íntegra.


Por Salvador Nogueira, na Folha e UOL

“A NASA tenta iniciar nova investida até o planeta vermelho. O objetivo: achar os ingredientes da vida em Marte.

O encarregado de realizar a tarefa é o jipe ‘Curiosity’, um grandalhão que tem quase o tamanho de um automóvel (três metros de comprimento e quatro toneladas).

O projeto custou US$ 2,5 bilhões, e a missão deve durar, pelo menos, um ano marciano (687 dias).

Movido por energia nuclear, o jipe terá mais eletricidade que qualquer outro dispositivo em Marte, sem depender de painéis solares. Poderá trabalhar dia e noite.

VIVENDO E APRENDENDO

Em 1976, duas espaçonaves, Viking-1 e 2, levaram ao solo marciano experimentos dedicados à detecção de vida. A ideia era misturar nutrientes ao de solo. Se desse reação positiva, pronto: bactérias extraterrestres.

Quando o experimento foi conduzido na prática, ocorreu o inesperado.

A superfície marciana parecia estar cheia de uma substância capaz de degradar a solução nutritiva enviada nas naves. Resultado: muitos bilhões de dólares para um teste inconclusivo.
foto do solo de Marte (1976)
Desde então, a NASA tem sido cautelosa. A estratégia foi quebrada em três etapas, e o novo jipe representa uma transição para a segunda.

Primeiro, os cientistas decidiram se pautar pelo mote: "siga a água". Foi com base nele que as sondas ‘Mars Global Surveyor’ e ‘Mars Reconnaissance Orbiter’ buscaram sinais de fluxos de água (passados, recentes e presentes).

A sonda ‘Mars Odyssey’ mapeou a presença de gelo no subsolo, e a sonda ‘Phoenix’ confirmou o achado.

Finalmente, os jipes ‘Spirit’ e ‘Opportunity’ buscaram sinais minerais de interação da água com as rochas, indicando que, no passado, Marte já foi mais quente e teve atmosfera mais densa.

Além da água, há outras duas coisas de que a vida precisa para prosperar. Uma delas é energia, que o Sol pode fornecer em Marte, a despeito da maior distância que o planeta guarda da estrela, em comparação com a Terra.

A outra é a presença de compostos orgânicos, os ‘tijolos da vida’. Por isso, o foco agora não é mais a água (que já existiu na cratera ‘Gale’, onde o novo jipe deve pousar), e sim o carbono.

"Entre 2010 e 2020, mudamos o foco, queremos procurar os chamados ambientes habitáveis", disse à Folha o engenheiro brasileiro Ramon de Paula, executivo de programa no quartel-general da NASA envolvido com missões marcianas.

"Entre 2020 e 2030, a última etapa: o retorno de amostras de Marte, em busca de sinais de vida", afirma.

O ‘Curiosity’ está equipado com dez instrumentos científicos. Ele vai perfurar o solo para análise, buscar compostos orgânicos e medir o nível de radiação solar e cósmica.

Para descer o "jipão" até o solo, a NASA usará técnica inédita: um sistema de propulsores que executará a parte final do pouso e descerá o jipe por um cabo, para depois soltá-lo e voltar a voar, caindo mais adiante. Nada de ‘airbags’, como os jipes anteriores enviados a Marte.

"Isso foi testado na Terra, mas podemos ter imprevistos lá", diz Ramon de Paula.

O teste final será na madrugada do dia 6 de agosto de 2012, quando o ‘Curiosity’ deve tocar o solo marciano.”

FONTE: escrito por Salvador Nogueira e publicado na “Folha.com” e portal UOL  (http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ciencia/10128-de-volta-ao-planeta-vermelho.shtml)

Nenhum comentário:

Postar um comentário